Header Ads Widget

DOENÇA RENAL CRÔNICA E ANEMIA | SÉRIE SAÚDE BRASIL

DOENÇA RENAL CRÔNICA E ANEMIA | SÉRIE SAÚDE BRASIL

DOENÇA RENAL CRÔNICA E ANEMIA | SÉRIE SAÚDE BRASIL



0:02 a anemia é uma das mais graves 0:16 consequências da doença renal crônica 0:18 debilitante indivíduo e dificulta 0:21 inclusive a recuperação social 0:23 vamos portanto conhecer um pouco mais 0:25 sobre as causas que prejudicam o 0:27 funcionamento do rim e saber o que 0:29 podemos fazer para ajudar a promover a 0:32 qualidade de vida do paciente renal 0:34 crônico a doença renal crônica é uma 0:37 perda progressiva e irreversível do 0:41 funcionamento dos rins 0:43 vale lembrar mas opção e

para que servem 0:45 nossos rins bem como alguns dos 0:47 principais distúrbios que podem afetá 0:49 los 0:50 os games em forma de grão de feijão 0:52 medem cerca de 12 centímetros em uma 0:54 pessoa adulta 0:56 são dois e localizam-se um de cada lado 0:58 da coluna na altura do abdome 1:01 o rim além de ser responsável pelo 1:03 processamento da urina que é expedida 1:05 diariamente também está associado a 1:07 outros sistemas do organismo 1:10 porém além de controlar toda a 1:12 qu antidade de

água que nós temos um 1:14 organismo controlar a quantidade de 1:16 maneira muito minuciosa de todos os 1:20 sites que nós temos no organismo porém 1:23 também é produtor de uma série de 1:26 hormônios hormônios que cuidam dos ossos 1:29 que cuidam da anemia que cuidam da 1:33 pressão arterial da gente então os rins 1:35 não só produtores de urinas tem uma 1:37 função muito mais ampla há basicamente 1:40 dois tipos de insuficiência renal que 1:43 podem ocorrer se os rins falharem se a 1:46 uma

parada ou falha abrupta no 1:48 funcionamento do rim 1:49 dá se o nome de insuficiência renal 1:51 aguda 1:52 diferente da doença renal crônica que é 1:55 de caráter progressivo e irreversível a 1:58 essência renal aguda ela é temporária ou 2:02 seja se a pessoa sobreviver à doença que 2:05 levou em renal aguda em questão de duas 2:08 três semanas o que volta a funcionar 2:10 depois de algum tempo está funcionando 2:12 quase que plenamente na insuficiência 2:1 5 renal aguda 2:16 dentre as causas

mais freqüentes está o 2:18 pós-operatório principalmente de grandes 2:20 cirurgias mas é a insuficiência renal 2:23 crônica que mais preocupa é uma doença 2:26 silenciosa pois não costuma apresentar 2:28 sinais iniciais que sirvam de alerta 2:30 nós estimamos e dois milhões e meio de 2:34 brasileiros têm doença renal crônica e 2:38 são praticamente assintomático e não 2:41 sabem que têm a doença renal crônica 2:43 qualquer um de nós pode em algum momento 2:46 da vida se tornar um renal crônico

até 2:48 mesmo crianças porém a grupos de maior 2:51 risco adultos e idosos portadores de 2:54 determinadas afecções têm maior 2:56 predisposição a algumas causas 2:59 principais da doença renal crônica 3:02 vamos ver nós devemos nos lembrar que as 3:06 duas principais doenças que comprometem 3:09 os rins e que podem levaram à destruição 3:12 deles exigindo mais tarde a necessidade 3:16 de uma limpeza artificial seja uma 3:18 diálise ou mesmo transplante de rins são 3:21 a pressão alta e

diabetes 3:23 vamos então conhecer um pouco mais sobre 3:26 cada uma das doenças consideradas as 3:28 maiores vilãs da doença renal crônica a 3:31 começar pela hipertensão arterial ou 3:34 pressão alta 3:35 primeiro pressão alta a hipertensão 3:38 arterial não causa do não causa 3:42 sofrimento pra pessoa a pessoa não sente 3:44 ser hipertenso mas ela vai consumindo 3:47 gradativamente o em da pessoa vai 3:50 destruindo rim e um belo dia ela passa 3:53 mal vai ao médico e descobre que

está 3:55 com menos que 15 por cento do rio 3:57 funcionante e que a única saída para ela 4:00 é a diálise ou transplante 4:02 a hipertensão arterial ou pressão alta 4:04 pode também causar infarto agudo do 4:07 miocárdio e derrame cerebral além da 4:09 insuficiência renal 4:11 vale salientar que a pressão alta tanto 4:13 pode ser uma causadora da doença renal 4:15 crônica como uma consequência ou seja 4:18 uma c omplicação da insuficiência renal 4:21 como pressão alta é causa de

doença 4:24 renal e o rio que controla a pressão 4:27 arterial e quando ele não está 4:29 funcionando bem pior a pressão alta 4:32 então se o ciclo vicioso se fecha eu 4:35 fico mais com pressão mais alta leva 4:38 mais o rio e mais pesado não controla a 4:41 pressão e com isso rapidamente ou a 4:43 função renal você perde então a primeira 4:45 coisa controlar a pressão arterial que 4:47 pode muitas v ezes ser acompanhado de uma 4:49 crise de dor de cabeça intensa e ao 4:53 medir se a pressão

arterial esta está 4:55 extremamente elevada recolheu exame de 4:57 sangue né 4:59 aí eles verificar a pressão e foi aí que 5:03 eles constatam que estava com 5:05 insuficiência renal 5:06 já o diabetes outro grande causador de 5:09 doença renal crônica caracteriza se por 5:11 uma deficiência na produção ou na ação 5:14 do hormônio insulina o que determina uma 5:16 elevação do açúcar no sa ngue uma 5:18 condição que também impõe maior risco à 5:20 saúde como um todo ea dos ringues 5:23 o paciente

que tem diabetes é 30% 5:27 caminha para a doença renal crônica e o 5:29 tempo de evolução em torno de 15 a 20 5:32 anos 5:33 dos cerca de mais de 70 mil brasileiros 5:35 que necessitam de hemodiálise e dos 5:37 quase 30 mil transplantados de em 5:40 portadores de doença renal crônica a 5:42 maioria tem pressão alta ou é diabética 5:45 até as outras causas como 5:47 glomerulone frite crônica é uma 5:49 inflamação crônica dos rins têm as 5:52 pedras nos rins a pedra renal ela pode 5:56 lesar o rim

e levará a sua destruição 5:59 pessoas tanto mulheres e crianças que 6:01 têm infecções urinárias stint de 6:04 repetição pode lesar o rim e levado essa 6:06 renal crônica também a melhor maneira de 6:09 evitar ou retardar a progressão da 6:11 insuficiência renal é buscar controlar a 6:13 doença de base por isso devemos seguir 6:16 corretamente a orientação médica q uanto 6:18 a medicamentos e também em relação à 6:21 dieta e exercícios 6:22 as pessoas com maior risco de 6:24 desenvolver a doença

renal crônica deve 6:27 redobrar a atenção e fazer exames 6:29 periódicos que podem ajudar 6:31 melhorar o funcionamento dos rins não é 6:34 todo brasileiro que precisa não é 6:35 importante colocar isso todo mundo 6:37 correr para fazer isso não só a 6:39 população dita de rosto de risco 6:41 se você foi diabético se você foi 6:44 pertenço 6:45 se você tiver pedra nos rins de 6:47 infecções urinárias de repetição então 6:49 tiveram a família algum conhece o 6:50 problema 6:51 vale a pena

conversar com o seu médico e 6:54 solicitar um exame dos rins a detecção 6:58 precoce é fundamental o que requer muita 7:00 atenção mesmo até porque em geral não há 7:03 sintomas iniciais que possam servir de 7:05 alerta ao paciente 7:07 os sintomas vão aparecer muito 7:10 tardiamente e quando foi diagnosticada 7:13 já se tem muito pouco temp o para tentar 7:16 salvar esse rio 7:18 então é importante que essas pessoas 7:21 colhiam rotineiramente alguns exames 7:25 simples como o exame de sangue

chamado 7:27 creatinina a creatina é um termo que 7:30 deve ser tão conhecido como colesterol 7:32 por parte da população 7:34 a creatina é uma substância que todos 7:37 nós temos no sangue ele é produto da 7:40 massa muscular 7:41 então o homem tem um nível de creatinina 7:43 um pouco mais elevado do que a mulher 7:46 que têm men os massa muscular - músculo 7:49 então nós sabemos que a creatinina 7:52 existe normalmente ela é filtrada 7:54 livremente pelo pelos rins a referência 7:58 pode mudar

a depender do sexo homem 8:01 mulher e a depender da idade também o 8:03 idoso a perda de massa muscular portanto 8:06 o índice também se altera 8:08 daí a importância de uma interpretação 8:10 profissional em relação a este exame de 8:12 sangue relativamente simples e barato 8:14 mas vamos ver um exemplo na média 8:18 nós mantemos um nível em torno de 1 8:20 miligramas por decilitro de creatinina 8:22 no nosso sangue 8:23 à medida que a gente vai perder a função 8:24 renal vai subindo e quando

o paciente 8:27 tem três e creatinina e já tem um 8:30 comprometimento de mais de 50% da 8:32 funcional quando ele tem um valor de 67 8:35 já indica que ele perdeu 1 90% e 8:37 funcional e ele tem que iniciar aí uma 8:40 terapia de substituição da função renal 8:42 exames de urina também podem ser úteis 8:4 5 investigação um exame de urina o que se 8:48 chama urinálise ou um parcial de urina 8:51 que vai procurar através de testes muito 8:55 simples muitas vezes através apenas de 8:58 uma fita a

que se coloca na urina e 9:01 instantaneamente nós sabemos se tem 9:03 sangue se tem proteína e se têm células 9:06 inflamatórias que pode indicar uma 9:08 infecção 9:09 então este é um exame simples barato que 9:11 é feito em qualquer posto 9:13 não há uma regra que determine como e em 9:15 qua nto tempo se da evolução da doença 9:17 renal crônica 9:18 o que se sabe porém é que a falência dos 9:20 rins ocorre na maioria das vezes de 9:23 maneira silenciosa em geral descobrimos 9:25 uma

insuficiência renal diante de 9:28 complicações 9:29 uma das complicações que pode ocorrer 9:32 quando o rio já deixou de funcionar em 9:34 cerca de 15 por cento segundo os 9:36 especialistas é a chamada uremia o que o 9:39 mma é a intoxicação do organismo o rio 9:42 filtra o sangue 9:43 se ele não filtra as toxinas acumulam 9:46 não começar a parecer uma série de 9:48 problemas para o paciente que pode 9:50 levá-lo ao coma e até a morte é a 9:54 neuropatia por exemplo encefalopatia

uma 9:56 série de doenças que podem comprometer a 9:59 vida deste paciente 10:01 outro alvo de complicação importante na 10:03 doença renal crônica é o aparelho 10:05 cardiovascular o que acontece elas 10:09 desenvolvem uma artéria esclerose muito 10:12 intensa 10:13 tant o que hoje a doença crônica dos 10:16 vinhos é um fator multiplicador da 10:19 doença cardiovascular 10:21 as pessoas morrem de enfarte de uma 10:23 trombose cerebral 10:25 então é preciso que nós hoje em dia 10:29 detemos

precocemente a doença renal 10:32 crônica para tratá-lo evitá-la aquela 10:35 progrida e vamos evitar então as 10:38 complicações cardiovasculares enfarte a 10:41 trombose cerebral e consequentemente 10:43 vamos evitar talvez até a necessidade de 10:46 uma diá ria no futuro e agora vamos 10:48 compreender melhor uma das mais graves 10:50 complicações da doença renal crônica 10:53 anemia saber por que ela ocorre o que 10:56 causa e como 10:57 tratá la e os cuidados com anemia

são 10:59 fundamentais nos pacientes renais 11:01 crônicos que grande parte da dos sinais 11:04 e sintomas que eles apresentam são 11:06 causados pela pela anemia a linha 11:08 seguramente tem que ter uma atenção 11:11 especial porque existem vário s trabalhos 11:15 na literatura que mostram que pacientes 11:17 com anemia têm um risco maior tanto de 11:21 hospitalização quanto de mortalidade 11:24 estudos indicam que a anemia é 11:26 responsável também por um desgaste 11:28 importante no coração

e anemia traz 11:31 repercussões sérias para os pacientes né 11:33 na qualidade de vida em função da 11:38 limitação cardiovascular porque é meu 11:41 sangue tem menos células para 11:43 transportar o oxigênio coração se dilata 11:46 e as pessoas então tem uma má qualidade 11:49 de vida hoje nós conseguimos reverter 11:51 isso e diminuir a mortalidade dessas 11:54 pessoas só com o tratamento da anemia 11:56 foi um grande avanço da medicina e um 12:00 avanço na qualidade de vida das

pessoas 12:02 que têm anemia da doença crônica dos 12:05 reis 12:06 vamos entender por que ocorre a anemia é 12:08 preciso antes lembrar que o rim controla 12:10 a produção de sangue no organismo por 12:12 meio de um hormôni o chamado ele trocou e 12:15 china a eritropoetina é um hormônio que 12:19 serve o tem o seu objetivo principal 12:22 estimular a medula óssea a produzir as 12:26 células do sangue ou seja esse hormônio 12:29 é fundamental para que a medula óssea 12:32 comece a produzir

células sanguíneas e 12:36 portanto quando o rim não está 12:38 funcionando esse hormônio deixa de ser 12:41 produzido é produzido numa dose uma 12:44 quantidade insuficiente e assim a medula 12:48 óssea deixa de produzir o sangue o 12:51 sangue é formado por lobos vermelhos 12:53 também denominados hemácias as hemácias 12:56 são células do sangue fundamentais para 12:58 o transporte de oxigênio quando essa 13:01 quantidade de glóbulos vermelhos diminui 13:04 o que acontece começa a

faltar 13:06 oxigenação nas células que quem tem 13:09 anemia tem mais fraqueza tem 13:11 temos fôlego à anemia por definição é a 13:14 diminuição do número de glóbulos 13:16 vermelhos na circulação o s gorros 13:18 vermelhos têm a tarefa de levar oxigênio 13:20 para todas as células do organismo e 13:22 para qualquer função do organismo a 13:24 gente precisa de oxigênio 13:25 então nós vamos ter uma um prejuízo da 13:28 função de todas as células 13:30 alguns dos principais sintomas da

anemia 13:32 são fraqueza cansaço palpitações e dor 13:36 no peito falta de concentração palidez e 13:39 pode ocorrer ainda inchaço ou que me me 13:43 trouxe a esse tratamento foi justamen te 13:46 o carro fato de ter a enxada as pernas 13:49 principalmente muito cansaço 13:51 o indivíduo fica fraco em disposto até 13:54 dificuldade para raciocinar 13:56 ele tem e diante da anemia e além do 13:58 mais a anemia ela estampa no rosto do 14:01 paciente aquela palidez que mostra que 14:04 ele ele tem

um problema de saúde que 14:06 dificulta a sua reabilitação social e 14:09 então é a anemia é uma consequência da 14:13 doença renal crônica mas também de 14:15 outras situaçõe s clínicas como carência 14:17 de vitaminas ferro e outras situações 14:20 eu sentia muito cansaço nem andava o 14:24 coração batia muito forte tudo aí foi 14:29 colhido esse exame entre outros exames 14:31 ontem e acusou nem minha profunda é 14:33 importante estar atento pois um quadro 14:35 de anemia também pode ser um

sinal de 14:37 alerta para o diagnóstico de doença 14:39 renal crônica 14:41 através do exame da dna 14:45 precisamos descobrir qual era a doença 14:47 renal é fund amental combater anemia no 14:51 paciente renal crônico e hoje em dia há 14:53 muitos avanços no tratamento o que 14:56 modificou completamente como se tratava 14:59 anemia no passado ano passado é o 15:02 tratamento da anemia doença renal 15:03 crônica era feito com transfusões 15:05 sanguíneas 15:06 era a única maneira e se o

paciente era 15:09 mantido num nível muito baixo de 15:12 hemoglobina com quase a metade dos 15:15 valores normais 15:16 só então ele se abaixasse disso ele 15:18 receberia é ele receberia a transfusão 15:22 sanguínea 15:23 antigamente o paciente renal 15:25 irônico também corriam maior risco de 15:27 contaminações por outras doenças porque 15:30 antes deles eram padres tomavam muitas 15:32 transfusões de sangue que acarreta um 15:35 problema de transmissão de vírus de 15:36 hepatite b e c que

até é a recentemente 15:41 era desconhecida 15:42 infelizmente hoje em dia temos 15:43 abordagens muito mais eficazes para o 15:46 tratament o da anemia na doença renal 15:48 crônica que passa pela reposição de um 15:50 hormônio como vimos fundamental 15:53 esse hormônio se chama eritropoetina e 15:57 graças à engenharia genética hoje em dia 16:00 existe um este hormônio sobre a forma 16:05 humana é um hormônio dito recombinante 16:10 humano ou seja ele pode ser administrado 16:13 aos humanos aos

nossos pacientes 16:16 isso revolucionou realmente a qualidade 16:18 de vida dos pacientes com doença renal 16:21 crônica por le nine e agora tratando com 16:24 os medicamentos todos né anemia pode 16:28 aparecer em fases bem precoces da doença 16:30 renal crônica e ela precisa ser tratada 16:34 pois já existem várias evidências que se 16:37 os pacientes com doença renal crônica 16:40 receberem tratamento pra ela que foi 16:42 tina a evolução da doença renal pode ser 16:47 ou seja ela vai

diminuir a 16:51 progressão da doença renal e isso é 16:54 muito importante 16:55 além disso é a anemia o tratamento da 16:58 anemia protege o sistema cardiovascular 17:01 esse indivíduo evitando assim que ele 17:04 desenvolva as outras complicações 17:06 cardiovasculares e também se sabe e aí 17:10 são dados mais em pacientes em diálise 17:12 que o tratamento da anemia pode reduzir 17:15 a necessidade de hospitalização assim 17:18 como reduzir a mortalidade nessa 17:21 população 17:22 o

portador de doença renal crônica que 17:24 apresenta quadro de anemia deve ser 17:26 tratado de forma ad equada pelo médico e 17:29 esse paciente espaço então a receber 17:31 essas injeções subcutâneas ou na veia 17:34 uma a duas vezes por semana 17:37 e nós temos avanços maiores agora 17:39 recentemente o surgimento de 17:41 eritropoetina com com duração de ação 17:44 mais prolongada bastando dá uma única 17:47 injeção por mês para manter os pacientes 17:49 livre da anemia e de todas

as 17:52 complicações que ela traz a 17:53 possibilidade de administrar a injeção 17:55 de e ritropoietina em número menor ou 17:58 seja com ação mais duradoura facilita a 18:01 adesão ao tratamento é importante que o 18:03 paciente em tratamento seja acompanhado 18:05 de perto pelo médico especialmente no 18:08 que diz respeito à pressão arterial 18:10 então nós temos que estar atento a isso 18:12 basta corrigir a aumentar a medicação 18:15 anti hipertensiva e que não é um efeito 18:18 é

colateral que prejudica terapia desses 18:22 pacientes 18:23 o paciente em trata mento deve ser 18:24 acompanhado pela equipe médica e ser 18:27 submetido a exames sempre que necessário 18:29 uma vez que nós é começamos a 18:33 administrar a rtp tinha o controle do 18:36 hemograma na hemoglobina precisa ser 18:39 feito periodicamente para que ajustes 18:42 dessa droga possam ser feitos faturação 18:45 do tratamento em geral é longa a 18:47 avaliação é feita pelo médico com 18:49 acompanhamento

criterioso do paciente o 18:53 tratamento da anemia é é crônico ele 18:57 precisa ser feito continuamente como rim 19:00 deixou de produzir esse hormônio esse 19:03 hormônio é precisa-se resposta ao 19:05 indivíduo é preciso estar atento pois o 19:08 portador de doença renal crônica anêmico 19:11 pode também necessitar de outros 19:13 cuidados 19:14 sabe se que além da era de rotina é 19:17 necessário também se suplementar ferro 19:22 ácido fólico e complexo de a deficiência 19:25 de ferro no

organismo do paciente renal 19:28 crônico costuma ser fr eqüente e pode 19:30 causar grandes prejuízos 19:32 então nós temos que dar ferro eo 19:34 paciente portador de doença renal 19:36 crônica tem uma deficiência de ferro 19:37 porque ele está numa situação de 19:40 inflamação auri mia que seja renal 19:42 crônica é uma situação inflamatória e 19:43 nem situação se produz um pequeno 19:46 chamado hepcidina que bloqueia a 19:48 absorção de ferro 19:49 então além de dar a ela trocou di

nós 19:52 temos que dar ferro para os nossos 19:54 pacientes o tratamento da doença renal 19:56 crônica é complexo podendo ser 19:59 necessário uma terapia de substituição 20:00 da função renal 20:02 a exemplo da hemodiálise constatou que 20:05 estava com um problema no rim já estava 20:07 lutando comprometido e comecei a fazer 20:09 mundiais 20:10 as pessoas que fazem diárias seja é 20:12 hemodiálise que aquele sistema em que o 20:15 sangue circula fora do organismo passa 20:17 num filtro volta

e que requer uma 20:20 máquina m ais especializada assim como 20:23 aquelas pessoas que fazem diálise 20:24 peritonial que a colocação de um soro no 20:27 abdômen na barriga do da pessoa que ela 20:30 pode fazer durante o dia ou até hoje 20:32 melhor ainda enquanto dorme 20:35 essas duas formas de diálise se estão 20:37 associadas com pressão alta 20:40 eu faço bielsa é dar três vezes por 20:43 semana 20:44 a adesão ao tratamento é muito 20:46 importante nunca se deve interromper

um 20:48 procediment o por conta própria 20:50 no caso de dúvidas e esclarecer sempre 20:52 com a equipe médica 20:54 além da da diálise eu faço assim o 20:56 tratamento para controlar assim e anemia 20:58 e outros medicamentos também nem pra 21:00 pressão é importante saber avaliar em 21:04 que momento pode ser necessário fazer um 21:06 transplante renal transplante renal 21:08 indicado para quase todo o paciente que 21:12 tenha doença renal crônica em seus 21:14 estágios mais

avançado s 21:16 após o transporte e tive uma vida normal 21:19 tem uma vida praticamente normal e só 21:23 que tem que tomar os medicamentos por 21:26 toda a vida e para a realização de um 21:28 transplante renal é preciso que um rim 21:31 seja doado a doação de órgãos pode ser 21:34 feita através de um órgão de uma pessoa 21:37 que faleceu a gente chama isso de o 21:39 transplante cadavérico não cadáver e 21:43 pode ser feito através da doação 21:45 intervivos que pode ser dentro da
mesma 21:49 família então os sons relacionados e 21:53 pode ser feito fora da família são os 21:54 não-relacionados vai esclarecer uma 21:57 dúvida que ainda é freqüente 21:59 uma pessoa que doa em vida um rio pode 22:02 viver 22:02 normalmente vamos ver uma orientação dos 22:05 doadores vivos sejam parentes o pai e a 22:11 nós já temos uma experiência de mais de 22:13 50 anos provando que se uma pessoa tem 22:17 dois rios está em bom estado de saúde 22:21 ela pode doar um rim e não

sofrerá 22:24 conseqüências disto a longo prazo 22:26 o tratamento da doença renal crônica 22:28 requer uma equipe multiprofissional que 22:30 pode envolver nutricionistas psicólogos 22:33 assistentes sociais além do médico para 22:36 controlar a hipertensão arterial a 22:38 diabetes tem relação de amigo mesmo nem 22:42 a relação de bastante confiança 22:44 além disso o sucesso do tratamento 22:46 também depende do compromisso e 22:49 dedicação do próprio paciente 22:51 recomenda se não fumar

evitar beber 22:53 líquidos em excesso adotar alimentação 22:56 saudável cortar o excesso de sal evitar 22:59 comida crua e excesso de potássio entre 23:01 outras medidas a mudança radical em 23:04 relação sauna 23:06 é importante também manter a atividade 23:08 física regular para combater o 23:10 sedentarismo 23:11 então todos são estimulados independente 23:16 da grau de disfunção renal que tenha 23:18 para fazer o seu exercício regular e 23:21 mais exercício faz c om que você

vai 23:24 precisar de menor quantidade de remédio 23:26 para controlar a pressão menor 23:28 quantidade de remédio para controlar o 23:30 seu diabetes também o apoio da família e 23:33 dos amigos também pode ajudar bastante 23:35 na recuperação do portador de doença 23:38 renal crônica 23:39 sem o apoio da família eu acho que não 23:41 tenha chegado até aqui não é graças a 23:44 deus somos unidos neste ponto e sempre 23:47 tive apoio nesse sentido mas feli zmente 23:49 cada dia mais é possível

que um portador 23:52 de doença renal crônica viva com 23:54 qualidade 23:55 hoje a chance de um paciente que não tem 24:00 mais quem funcionante é de 80 a 85% dele 24:05 manter se vivo com a moralidade mina 24:08 então os avanços foram fantásticos 24:10 nesses últimos 25 anos sem contar que 24:14 aéreo trovante nos remédios para 24:16 controlar a pressão na parte das diárias 24:18 e as remédios antirrejeição depois do 24:22 transplante 24:23 h oje são mais efetivos mais seguros com 24:26 menos

efeitos colaterais 24:27 graças a deus tentamos levar uma vida 24:30 normal sem intercorrência nenhuma lá 24:33 fora é é seguir em frente e os avanços 24:37 da ciência estão em constante evolução 24:40 a evidência que nós podemos inclusive a 24:42 regredir 24:43 daí a importância de nós identificarmos 24:45 precocemente as pessoas que estão sob o 24:48 risco de desenvolver a doença renal 24:50 crônica e tratá-las acompanhadas de 24: 53 perto por que nós podemos com os 24:55 medicamentos hoje

realmente causar o 24:57 impacto seja evitar a progressão ou 25:01 retardar fazer com que a evolução seja 25:03 muito mais lenta do que se via no 25:06 passado 25:07 o conhecimento é um bom aliado procura 25:09 obter mais informações no núcleo de 25:12 saúde de sua cidade e aproveite janotti 25:15 algumas dicas 25:16 o hospital das clínicas da faculdade de 25:18 medicina da universidade de são paulo 25:20 telefone zero o que é a dor é o 11 3283 25:24 5304 fundação pró-renal telefone zero

o 25:29 que é a dor a 41 3312 5400 site 25:37 www.procorrer.org.br fundação oswaldo 25:40 ramos da universidade federal de são 25:42 paulo 25:43 telefone 011 perador 11 5572 05 30 e 55 25:49 7 13 261 unir 25:52 iam de insuficientes de mais de são 25:54 paulo telefone 011 operadora 11 3259 25:59 9907 site www.uniderp.br 26:06 como vimos tem sido cada dia mais 26:09 possível tratar o portador de doença 26:11 re nal crônica e mais combatendo anemia 26:14 de forma eficaz 26:16 podemos evitar

complicações e melhorar a 26:19 qualidade de vida do paciente 26:21 lembre-se é fundamental sempre monitorar 26:24 o funcionamento de seus fins 26:26 por meio de um exame de sangue chamado 26:28 creatinina mais uma maneira segura de 26:31 checar a sua saúde 26:33 26:37 26:37

DOENÇA RENAL CRÔNICA E ANEMIA | SÉRIE SAÚDE BRASIL

Conheça um pouco mais sobre o tema assistindo ao documentário. Site: http://saudebrasilnet.com.br Facebook: https://www.facebook.com/portalsaudeb... Spotify: https://open.spotify.com/show/6wXY0dD... MOSTRAR MAIS

Postar um comentário

0 Comentários